Elementos pós-Keynesianos e Estruturalistas para a análise da vulnerabilidade externa Latino-Americana no contexto de finanças globalizadas

Saulo Quadros Santiago, Adriana Moreira Amado

Abstract


O artigo analisa a vulnerabilidade externa dos países periféricos, no contexto da globalização financeira. Para isso, busca desenvolver uma abordagem teórica que integre os elementos da teoria estruturalista, que considera as especificidades produtivas desses países, com os da teoria pós-keynesiana, que ressalta as especificidades monetárias e financeiras. Argumenta-se, então, que os países periféricos são mais vulneráveis a oscilações na preferência pela liquidez internacional do que os países centrais, devido ao baixo desenvolvimento dos seus sistemas nacionais de inovação, à concentração da sua pauta de exportações em bens primários e da sua pauta de importação em bens de capital e insumos processados, à baixa liquidez de suas moedas no cenário externo, à sua inserção marginal nos fluxos internacional de capital e ao baixo desenvolvimento dos seus sistemas financeiros domésticos.


Keywords


Globalização Financeira, Vulnerabilidade Externa, Centro-Periferia

References


Abeles, M. e Valdecantos, S. (2016) “Vulnerabilidad Externa en America Latina y el Caribe – Um Análisis Estructural”. Serie Estudios y Perspectivas, nº 49, Cepal, Buenos Aires.

Akyüz, Y. (2015) “Internationalization of Finance and Changing Vulnerabilities in Emerging and Developing Economies”. South Centre Research Paper, nº 60.

Amado, A.M. (2004) “Preferência pela Liquidez: o Novo Contexto Financeiro Internacional Inviabiliza a Teoria?” Revista de Economia Política, vol. 24, n. 4 (96).

Arestis, P. e Glickman, M. (2002) “Financial Crisis in Southeast Asia: Dispelling Illusion The Minskyan Way”. Cambridge Journal of Economics, vol. 26, n. 2.

Bielschowsky, R. (2009) “Sessenta Años de la CEPAL: Estructuralismo y Neoestructuralismo”. Revista de la Cepal, n. 97.

Bresser-Pereira, L.C. e Gala, P. (2010) “Macroeconomia Estruturalista do Desenvolvimento”. Revista de Economia Política, vol. 30, n. 4 (120).

Carneiro, R. (2008) “Globalização e Inconversibilidade Monetária”. Revista de Economia Política, vol. 28, n. 4 (112).

Carvalho, F.C. (1992) Mr Keynes and The Post Keynesians. Principles of Macroeconomics For A Monetary Production Economy. Ed. Edward Elgar.

Cepal (2000) “Estudo Econômico da América Latina, 1949”. In Bielschowsky, R. (org.) Cinquenta Anos de Pensamento na CEPAL. Rio de Janeiro: Record.

Cepal (2011) Crescer com Estabilidade – O Financiamento do Desenvolvimento no Novo Contexto Internacional. Editora Campus.

Chesnais, F. (1995) “O Capital Portador de Juros: Acumulação, Internacionalização, Efeitos Econômicos e Políticos”. In Chesnais, F. A Finança Mundializada, Ed. Boitempo.

Chick, V. (1994) “A Evolução do Sistema Bancário e a Teoria da Poupança, do Investimento e dos Juros”. Ensaios FEE, Porto Alegre, vol. 15, n. 1.

Chick, V. (1998) “Finance and Investment in the Context of Development: a Post Keynesian Perspective”. Halevi, J., Fontaine, J.M., Restoring Demand in The World Economy: Trade, Finance and Tecnology, Hardcover.

De Conti, B.M., Prates, D.M. e Plihon, D. (2015) “O Sistema Monetário Internacional e seu Caráter Hierarquizado”. In Cintra, M.A.M. e Martins, A.R.A. (Org.) As Transformações do Sistema Monetário Internacional, Brasília: Ipea.

De Conti, B.M., Prates, D.M. e Plihon, D. (2014) “Hierarquia Monetária e Suas Implicações para as Taxas de Câmbio e de Juros e a Política Econômica dos Países Periféricos”. Economia e Sociedade, vol. 23, nº 2 (51).

De Paula, L.F. e Alves JR. A.J.A. (1999) “Fragilidade Financeira Externa e os Limites da Política Cambial no Real”. Revista de Economia Política, vol. 19, n. 1.

Dequech, D. (2000) “Asset Choice, Liquidity Preference, and Rationality, under Uncertainty”. Journal of Economic Issues, vol. 34, n. 1.

Dow, S.C. (1985) Macroeconomic Thought: A Methodological Approach. Blackwell, Oxford.

Dow, S.C. (1999) “International Liquidity Preference and Endogenous Credit Creation”. In Deprez, J. e Harvey, J. Foundations of International Economics: Post Keynesian Perspectives, Routledge.

Dymski, G. (1998) “‘Economia de bolha’ e Crise Financeira no Leste Asiático e na Califórnia: uma Perspectiva Espacializada de Minsky”. Economia e Sociedade, vol. 11.

Fajnzylber, F. (2000) “Industrialização da América Latina: da ‘Caixa Preta’ ao ‘Conjunto Vazio’”. In Bielschowsky, R. (org.) Cinquenta Anos de Pensamento na CEPAL. Rio de Janeiro: Record.

Ffrench-Davis, R. (2014) “Neoestructuralismo y Macroeconomia para el Desarrollo”. Serie de Documentos de Trabajo, 391, Facultad Economía y Negocios, Departamento de Economía, Universidad de Chile. Santiago.

Ffrench-Davis, R. e Ocampo, J.A. (2001) “The Globalization of Financial Volatility: Challenges for Emerging Economies”. In Ffrench-Davis, R. Financial Crises in “Successful” Emerging Economies. Cepal, Brooking Institution Press.

Furtado, C. (1983) Teoria e Política do Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Abril Cultural.

Guttmann, R. (2015) “Chronic Macro-Economic and Financial Imbalances in the World Economy: a Meta-Economic View”. Revista de Economia Política, 35 (2).

Harvey, J.T. (1999) “Exchange Rates: Volatility and Misalignment in the Post-Bretton Woods Era”. In Deprez, J. e Harvey, J. Foundations of International Economics: Post Keynesian Perspectives, Routledge.

Hermann, J. (2014) “Financial Constraints on Economic Development: Theory and Policy for Developing Countries”. Cepal Review, n. 114.

IMF (2015) “Vulnerabilities, Legacies, and Policy Challenges: Risks Rotating to Emerging Markets”. Global Financial Stability Report, Washington: IMF.

Keynes, J.M. (1936 [1982]) A Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda, São Paulo: Atlas.

Keynes, J.M. (1937) “The General Theory of Employment”, The Quarterly Journal of Economics.

Kregel, J.A. (1998) “Yes, ‘It’ Did Happen Again – A Minsky Crisis Happened in Asia”. Working Paper, nº 234. Presented at the Eighth Annual Hyman P. Minsky Conference on Financial Structure, April 23-24, 1998.

Minsky, H.P. (1986) Stabilizing an Unstable Economy. Yale University Press.

Plihon, D. (1995) “A Ascensão das Finanças Especulativas”. Economia e Sociedade, vol. 5, 1995.

Prates, D.M. (2002) Crise Financeira nos Países “Emergentes”: uma Interpretação Heterodoxa. Tese de Doutoramento, Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Economia.

Prebisch, R. (2000a) “O Desenvolvimento Econômico da América Latina e Alguns de Seus Problemas Principais”. In Bielschowsky, R. (org.) Cinquenta Anos de Pensamento na CEPAL. Rio de Janeiro: Record.

Prebisch, R. (2000b) “Problemas Teóricos e Práticos do Crescimento Econômico”. In Bielschowsky, R. (org.) Cinquenta Anos de Pensamento na CEPAL. Rio de Janeiro: Record.

Resende, M.F.C. (2007) “O Circuito Finance-Investimento-Poupança em Economias Abertas”. Revista de Economia Política, vol. 28, nº 1 (109).

Resende, M.F.C. e Amado, A.M. (2007) “Liquidez Internacional e Ciclo Reflexo: Algumas Observações para a América Latina”. Revista de Economia Política, vol. 27, nº 1 (105).

Rodriguez, O. (2009) O Estruturalismo Latino-Americano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Studart, R. (1993) “O Sistema Financeiro e o Financiamento do Crescimento: uma Alternativa Pós-Keynesiana à Visão Convencional”. Revista de Economia Política, vol. 13, n. 1 (49).

Studart, R. (2001) “Integrating Uneven Partners: the Destabilizing Effects of Financial Liberalization and Internationalization of Latin American Economies”. In Encontro Nacional da Anpec, 2001.

Torres Filho, E. T. (2014) “A Crise do Sistema Globalizado Contemporâneo”. Revista de Economia Política, 34 (3).


Refbacks

  • There are currently no refbacks.